Angola vira-se para lusófonos para melhorar habitação

Ana Paula de Carvalho, Ministra do Ordenamento do Território e Habitação (FOTO Daniela Gross / ONU)

Ana Paula de Carvalho, Ministra do Ordenamento do Território e Habitação (FOTO Daniela Gross / ONU)

Angola tenta aproximar-se de países de língua portuguesa e de outras nações na busca de experiências sobre a política de habitação. A informação foi dada à ONU News, em Nova Iorque, pela Ministra do Ordenamento do Território e Habitação.

Ana Paula de Carvalho disse à ONU News que as autoridades angolanas desenvolvem a área de habitação para evitar o êxodo para a capital, Luanda, tal como aconteceu durante o conflito armado, que terminou há 16 anos.

Thank you for reading this post, don't forget to subscribe!Thank you for reading this post, don't forget to subscribe!

“Há bem pouco tempo houve uma deslocação com o Ministério da Administração do Território no sentido de se trocar experiências do Cabo Verde, (para) ver o que eles têm feito no sentido, para que se possa implementar. Tem havido cooperação com Portugal e estamos a ver se estreitamos mais essa relação com os países próximos”, sublinhou Ana Paula de Carvalho.

A ministra angolana falou ainda da Nova Agenda Urbana que prevê dar atenção à situação de grupos em desvantagem, como jovens e mulheres. A ideia é criar condições de habitação para as populações e assegurar infra-estruturas modernas para as cidades angolanas.

“O Bahrein chamou a atenção para o caso de programas específicos sobre a mulher. Nós, em relação à distribuição de habitação e lotes, temos sido de forma abrangente. Não temos de acompanhar só um estrato – estão jovens, antigos combatentes e estão mulheres. Mas foi uma boa experiência. Muitas vezes, por razões culturais, em Angola quando morre (alguém), a família do marido vem receber tudo da mulher. A Nova Agenda Urbana prevê a inclusão não só da juventude e das mulheres que devem ser incluídas”, afirmou Ana Paula de Carvalho.

A nova ministra coordena o Plano Director de Luanda, que até 2022 pretende ordenar o território, definir programas para criar novas infra-estruturas e padrões de construção.

Ana Paula de Carvalho chefiou a delegação angolana que participou no Fórum de Alto Nível, realizada em Nova Iorque de 8 a 10 de Julho, sobre os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). São 17 os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e 169 metas que os Estados devem aplicar de forma ousada no quadro da Agenda 2030.

Fórum avaliou progressos na aplicação dos ODS

No final dos trabalhos do Fórum, os Estados-Membros da ONU aprovaram quarta-feira uma resolução em que afirmam que é preciso “acelerar urgentemente o progresso em direcção a todos os Objectivos, em particular os que têm um prazo até 2020”.

Na entrevista à ONU News, a Ministra do Ordenamento do Território e Habitação, Ana Paula de Carvalho, considerou como a troca de experiências durante o Fórum pode ajudar os países a cumprir os ODS.

“Achei bastante positiva a experiência do Lesoto, que para diminuírem os custos da habitação estão a criar empresas locais para o fornecimento de materiais locais, de forma a baixar os preços. No Bahrein, por exemplo, chamou-me à atenção o caso de programas específicos para a mulher. Nós, em relação à distribuição de habitação e de lotes, temos sido abrangentes, não temos acompanhando só um extracto, (na distribuição) estão jovens, antigos combatentes, mulheres. Foi uma boa experiência”, disse Ana Paula.

A resolução aprovada afirma que, ao longo de três anos de implementação da Agenda 2030, “houve progressos em algumas metas, mas não ao ritmo necessário para alcançar essa agenda ambiciosa – e tem sido desigual entre países e regiões”.

Na resolução, os Estados-Membros da ONU afirmam que “erradicar a pobreza, em todas as suas formas, é o maior desafio global e um requisito indispensável para o desenvolvimento sustentável”.

Obstáculos na Agenda 2030

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, discursou no encerramento do Fórum e defendeu que as discussões dos últimos oito dias “ajudaram a mostrar a vontade de cumprir a Agenda”. Para o chefe da ONU, ficaram evidentes alguns progressos, mas também está claro que o mundo “está atrasado, ou até a retroceder, em áreas que são fundamentais para a promessa de não deixar ninguém para trás”.

António Guterres, Secretário-Geral da ONU, falou no encerramento do Fórum de Alto Nível sobre os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

O Secretário-Geral da ONU lembrou que, pela primeira vez numa década, o número de pessoas subnutridas aumentou, a desigualdade de género ainda existe e o investimento em infra-estruturas continua a ser inadequado.

Soluções passam pelo financiamento

Guterres afirmou que a Agenda 2030 é “a resposta colectiva para construir uma globalização justa” e apontou vários caminhos para o conseguir.

Primeiro, é preciso mobilizar o poder transformador dos jovens. É por isso, explicou o Secretário-Geral, que a ONU vai lançar em Setembro uma estratégia para apoiar e envolver os jovens. Além disso, é preciso controlar as emissões de gases de efeito de estufa.

Guterres acredita que “não existe suficiente vontade política para cumprir os objectivos’, mas espera que a Cimeira do Clima, que se realiza no próximo ano em Nova Iorque, provoque uma nova ambição. Segundo ele, é preciso resolver a falta de financiamento para os ODS, sobretudo nos países mais vulneráveis.

Para Setembro, está agendado um encontro de alto nível sobre o financiamento da Agenda 2030. Finalmente, Guterres disse que a tecnologia tem grande potencial, mas é preciso garantir os seus benefícios para todos. Na semana passada, a ONU anunciou um novo Painel de Alto Nível para a Cooperação Digital.SalvarSalvar

Exit mobile version